segunda-feira, abril 08, 2013

SÓ PARA AQUELES QUE ACREDITAM QUE UM NOVO E MARAVILHOSO MUNDO É POSSÍVEL.... UM VÍDEO PERTURBADOR...



Fundada em 1972, a Universidade de Pés Descalços é uma organização não governamental que fornece serviços básicos e soluções para os problemas de educação nas comunidades rurais da Índia, com o objetivo de torná-las autossuficientes e sustentáveis.

A ideia da universidade é valorizar o conhecimento daqueles que vivem com menos de um dólar por dia. Os “profissionais pés descalços”, como são chamados os estudantes, são homens e mulheres rurais não educados do modo convencional, mas que são capazes de realizar empreendimentos maravilhosos, pois carregam consigo uma ampla gama de sabedorias locais.

Bunker Roy, o fundador da ONG, explica que sua instituição foi feita para eles e, por isso, somente o que eles acham ser importante é discutido e refletido ali dentro. Uma faculdade onde mestrandos e doutorandos ou pessoas com qualquer outro grau de formação acadêmica não entram. “É preciso trabalhar com as mãos, é preciso ter dignidade de trabalho. É preciso mostrar que se tem uma habilidade que se pode oferecer à comunidade, prestando um serviço a ela. A ideia é valorizar o conhecimento local”, explica Roy.



Para isso, a universidade redefiniu o que é o profissionalismo e o que é o profissional. Ali, o que existe é uma combinação de competência, confiança e crença. Os alunos trabalham com energia solar, água, educação, saúde, artesanato rural, comunicação para o desenvolvimento, capacitação, empoderamento das mulheres e muito mais.

A faculdade, que segue os princípios do Desenvolvimento Rural Sustentável, acredita que para que a iniciativa seja bem sucedida, todo o conhecimento deve vir de dentro da própria comunidade. E agora está mostrando para o mundo o vasto reportório de conhecimentos e habilidades que os profissionais do meio rural e de aldeias remotas possuem.

Assista ao vídeo do TED com Bunker Roy, o fundador da ONG, explicando a criação da Universidade

Fonte: Universidade de Pés Descalços

O programa de engenharia solar da instituição do qual Rafea faz parte já levou luz elétrica para diversos vilarejos indianos e se espalhou em regiões vulneráveis pelo mundo. Durante o TED Global de 2011, Bunker Roy, fundador da universidade, conta como faz para ensinar essas mulheres a transformarem suas vidas e a de suas comunidades: pela linguagem de sinais. Como elas são iletradas e não falam uma língua em comum, são os gestos mesmo que ajudam no compartilhamento de conhecimento. “Nenhuma língua pode ajudar mais no aprendizado do que conviver. Ainda mais no meio do ciclo de vida. Um ambiente aberto de aprendizagem já é suficiente para criar nelas um nível elevado de curiosidade em coisas novas que podem aprender para mudar suas vidas e as da comunidade onde estão inseridas”, disse a instituição ao Porvir.

A opção de apostar nas mulheres, diz Roy no TED, está no fato de que são elas, especialmente as mais velhas, que mais vivem as dificuldades das zonas rurais. Os mais novos, sobretudo os homens, querem um diploma para conseguir um emprego nas áreas urbanas, afirma o fundador. “Por todo o mundo, há essa tendência de o homem querer um certificado. Por quê? Porque eles querem deixar seus vilarejos e ir buscar um emprego nas cidades. Então nós apresentamos essa grande solução: treinar avós”, disse ele no evento mundial.

A Universidade dos Pés Descalços, além do programa que forma engenheiras solares, também tem cursos voltados para resolver problemas de seu cotidiano, como formas de cozinhar com energia solar e artesanatos. “Uma simples solução pode trazer uma grande revolução”, diz a instituição.

A história completa de Rafea pode ser conferida hoje pelo festival Independent Lens e, no Brasil, pelo canal Futura em 28 de novembro, às 21h30. Confira aqui o trailer, com legenda em inglês.http://porvir.org/porfazer/uma-beduina-na-universidade-dos-pes-descalcos/20121105

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...