sexta-feira, fevereiro 22, 2013

TERRA FORTE.... O MAIOR.... E O MEU PRÓXIMO DESAFIO.... EU SOU BRASILEIRO E NÃO DESISTO NUNCA.....

Na foto ao lado/acima, imagens da COOPERTEL... agroindustria dos Assentados da Reforma Agrária de Ponte Alta, de cujo Projeto participei desde o início lá em 2008...

Projeto vencedor duas vezes...

Na primeira vez... em 2008 o BNDES, através do seu Fundo Social disponibilizou R$ 30 milhões para o financiamento de Projetos de Agroindustrias através do Programa DRS do Banco do Brasil... Apenas R$ 3 milhões foram utilizados... R$ 2 milhões em Santa Catarina.... e desses, R$ 1,3 milhões foi para a construção da Agroindustria da COOPERTEL....

Na segunda vez... em 2012 onde ficou entre as 20 melhores Projetos do 4o. Premio Nacional da ODM Brasil, concorrendo com outros 1.628 projetos de todos o Pais...

Por isso me sinto duas vezes contemplado.. vitorioso... e feliz...

Venho militando e trabalhando nos ultimos 15 anos de minha vida pelo fortalecimento da Agricultura Familiar... e de diversas formas: (i) como Gerente do Banco do Brasil.. implantando metodologias de trabalhos inovadoras que viabilizaram a expansao sem precedentes do PRONAF em Santa Catarina... e posteriormente em todo o Brasil;(ii) participando... efetivamente... em diversas Ações e Programas Governamentais de Segurança Alimentar; (iii) trabalhando como bolsista em projetos de extensão e pesquisa da UDESC; (iv) Elaborando inumeros projetos de Desenvolvimento Territorial, do Programa PAA e de outros Editais; e agora, (v) fazendo parte da Equipe multidisciplinar contratada por Edital pela UFSC para implantar o Programa TERRA FORTE nos três Estados do Sul do Brasil, mais o Estado de São Paulo...

Um Grande desafio... porque pela primeira vez na história deste paìs.. os agricultores da reforma agrária recebem recursos governamentais para agregar valor aos seus produtos... Um desafio maior ainda.. porque não podemos errar... a UFSC é a primeira Universidade que recebe esses recursos... outras 3 estão na espera... a UFSC vai funcionar como um laboratório... um plano piloto....

Tenho certeza que a equipe de mais de 40 profissionais que vão encarar esse desafio junto comigo... irà se superar e obter uma grande vitória... apesar daqueles (e são muitos) que desde já torcem contra... Daqui a três anos faremos um grande encontro para comemorar o sucesso dos empreendimentos...

Vamos gerar mais trabalho, oportunidades e renda... do que todas os neo-colonizadores que prometeram se instalar por aqui graças aos imensos "incentivos" fiscais, que o pior governador catarinense de todos os tempos prometeu e irá garantir...

Para conhecer um pouco mais sobre o TERRA FORTE por favor leiam a noticia abaixo...
(....)


Lideranças do MST catarinense participaram do lançamento do programa Terra Forte
13/2/2013 23:50:00

Lideranças do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) de Santa Catarina participaram na segunda-feira (4/02), do lançamento do programa Terra Forte (Programa Nacional de Agroindustrialização da Reforma Agrária), em Arapongas (PR), o Programa Terra Forte vai investir R$ 600 milhões em projetos de agroindústria para assentamentos da reforma agrária.

O programa foi lançado pela presidente Dilma Rousseff no Assentamento Dorcelina Folador, durante a inauguração da agroindústria de leite da Cooperativa de Comercialização e Reforma Agrária União Camponesa (Copran), pertencente ao Movimento dos Sem Terra (MST).

Para participar do evento, vários ônibus partiram de Santa Catarina com representantes de assentamentos, cooperativas e associações de todas as regiões do estado. Representando a serra, participaram o senhor Vilson Santin (coordenador nacional do MST) do Assentamento Anita Garibaldi de Ponte Alta, o presidente da Coopertel Juliano Heinle e o vereador Amauri Fracaro (PT) também de Ponte Alta.

O programa Terra Forte tem por objetivo apoiar e promover a agroindustrialização de assentamentos da reforma agrária em todo o país. O programa é fruto de um grupo de trabalho interministerial coordenado pela Secretaria-Geral da Presidência da República em diálogo com os movimentos sociais. Os beneficiários são famílias de trabalhadores rurais em projetos de assentamento criados ou reconhecidos pelo Incra. A expectativa é atender 200 cooperativas e associações com o valor médio de R$ 1,5 milhão por cooperativa nos próximos cinco anos.

O Programa conta com recursos de R$ 300 milhões, sendo R$ 150 milhões do fundo social do BNDES, R$ 20 milhões da Fundação Banco do Brasil e R$ 130 milhões dos demais parceiros – Ministério do Desenvolvimento Agrário, Ministério do Desenvolvimento Social, Incra e Conab. Além disso, o Banco do Brasil disponibilizará R$ 300 milhões em crédito para as cooperativas investirem em agroindústrias, totalizando R$ 600 milhões em recursos.

Vilson Santin, que integrou a comitiva que recepcionou a presidenta Dilma em Arapongas contou que a presidenta estava muito a vontade e emocionada durante o evento. Na oportunidade Vilson Santin e outros líderes sociais discutiram com Dilma Rousseff sobre a pauta nacional para a próxima reunião de trabalho que deverá ocorrer em breve. Santin que participou da elaboração do programa Terra Forte, explica que o lançamento do programa é um divisor de águas para os agricultores. “Foi um dia histórico, a presidenta estava muito empolgada, a Dilma nos elogiou dizendo que Santa Catarina é modelo de reforma agrária, que nossa organização serve de exemplo para o restante do país, em breve ela estará nos visitando, uma vez que aceitou nosso convite, a presidente Dilma ainda ressaltou a força da marca Terra Viva, que hoje está presente em mais de 6 mil pontos de venda”, informou Santin que finalizou dizendo, “Estou bastante otimista, o programa Terra Forte é estratégico, ele tem começo meio e fim, coloca a Reforma Agrária em outro patamar fazendo que ocorra um desenvolvimento efetivo, fortalecendo a agricultura familiar e agregando valor aos produtos com a industrialização, gerando empregos e distribuindo renda para a sociedade como um todo”.


Programa deverá investir R$ 80 milhões em SC

Em Santa Catarina o programa Terra Forte investirá cerca de R$ 80 milhões em projetos que irão potencializar a capacidade de produção das cooperativas e fortalecer e ampliar as cadeias produtivas principalmente na agricultura familiar. Em um projeto estruturante da Cooperativa Central de Reforma Agrária de Santa Catarina – CCA que deverá potencializar a cadeia produtiva da proteína animal, (leite e derivados, peixes, suínos, frangos e ovos caipiras, entre outros), R$ 65 milhões serão investidos. A Cooperdotchi no norte do estado, também ligada ao MST também apresentou projetos e deve receber investimentos.


Investimentos em projetos da Coopertel

A Coopertel poderá receber investimentos em dois projetos, um deles no município de Bom Jardim da Serra objetiva fortalecer e viabilizar a industrialização da maça, R$ 8 milhões deverá ser aplicado neste projeto. A agroindústria da Coopertel já estabelecida em Ponte Alta tem outro projeto que visa automatizar a linha de produção de conservas, doces e farinhas, incorporando maior tecnologia barateando os custos de produção. Ainda na agroindústria de Ponte Alta está prevista o projeto uma ampliação, onde será instalada uma linha de produção para o beneficiamento de ovos de codorna e um laboratório, somente em Ponte Alta o investimento deve chegar a R$ 3,5 milhões.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...