terça-feira, janeiro 15, 2013

SANTA CATARINA: ESTADO DE UM PARTIDO SÓ...

Reproduzo abaixo um texto escrito por Sérgio Pena, no seu BLOG "PENA DIGITAL"...

É um assunto relevante.. e que merece ser pensado... principalmente pelos meus ainda companheiros PeTistas..

Se acontecer.. esse desastre que o Sérgio mostra como possível... A Ideli e o PT Estadual encontrarão em mim... um DURO OPOSITOR... o PT que se preparare para me expulsar do ParTido... serei intransigente na cobrança de coerencia partidária...

(...)

Santa Catarina: estado de um partido só

Há muito tempo, venho criticando a grande aliança partidária criada em nosso estado. Isso porque é por demais temeroso à sociedade um governo sem oposição. Sem fiscalização. Sem limites. A oposição é a base da democracia. Governos que não experimentam a resistência política, se põem acima das leis, ignoram a cidadania, não produzem desenvolvimento social e gastam muito mal o que arrecadam do contribuinte.

Já comparei o estado de Santa Catarina à China, no sentido de que aqui, assim como lá, possui apenas um partido político. Se considerarmos que os maiores partidos (PSD, PMDB, PSDB e PP) de nosso estado estão juntos no poder, ficando de fora apenas o PT, não é exagero de minha parte fazer comparação com esse país asiático.
O que foi concebido originalmente como "tríplice aliança", hoje transformou-se num conglomerado partidário. Uma única massa. Uma única voz política.

Mas por quanto tempo o PT ficará na trincheira contrária?
De acordo com informações que começam a surgir, ainda que timidamente, arquiteta-se um plano para que o PT seja inserido no grupo político. Em 2014, a ministra Ideli Salvatti (PT) teria o apoio desse grupo para concorrer ao Senado, e, em contrapartida, seu partido apoiaria a reeleição da dupla Colombo/Moreira.
Embora haja uma grande resistência interna no partido de Ideli, sabe-se que isso poderá ser contornado com uma, digamos, pressãozinha do Palácio do Planalto, tendo em vista que o PSD faz parte da base de apoio do governo federal.

Parece que todos os ícones políticos de Santa Catarina sucumbiram diante de uma astuta engendração de Luiz Henrique da Silveira (PMDB) e seus asseclas, que institucionalizaram o cabide de emprego com as secretarias regionais, produzindo um campo fértil que atraiu todos aqueles que buscavam um espaço político e de poder. Nesse terreno, semeou-se com dinheiro público a maior organização política que o estado já viu, cujos frutos estão a colher: três governos sequentes e um quarto por vir.

O que parece incompreensível é que a mesma população que se diz indignada com a falta de estrutura na saúde, educação e segurança - áreas vitais de um estado - elege essa sucessão de governos. Por outro lado, é fácil compreender essa atitude popular. Na falta de uma oposição consistente, que não se apresenta como um caminho viável e confiável para a alternância no poder, o eleitorado prefere deixar como está. Além disso, se todos estão juntos agora, como apostar em alguns deles que, porventura, se rebelarem aos 45 do segundo tempo? Para o atual governo, por ventura essa dissidência é quase impossível.

E com esse mosaico partidário, vai-se perpetuando um governo catarinense, enquanto a população não vê nenhuma diferença após a mudança de mandatário. Nem vai. Mudam nomes, não o modo de governar.

Leia o artigo completo: http://www.blogpenadigital.com/2013/01/santa-catarina-estado-de-um-partido-so.html#ixzz2I5ZNVElj

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...