segunda-feira, agosto 27, 2012

SINOTRUK... MUITAS TREVAS... POUCAS LUZES...

A vinda da Sinotruk para Lages até o momento tem sido um processo muito obscuro... de muitas trevas e poucas luzes...

Primeiro... ninguém sabe exatamente o que o "Não Governador" prometeu de tão vantajoso... que fez com que os chineses rompessem suas negociações com o Governo do Paraná (que se alastrava por 2 anos... e que parecia certa)... para vir para cá...

Segundo... quanto em dinheiro sairá do bolso dos catarinenses para doar aos chineses o terreno... e todos os incentivos e renuncias fiscais??? Quanto custará aos bolsos dos catarinenses esses "privilégios" que as Empresas daqui jamais desfrutarão???

Terceiro... os chineses tem ou não conhecimento do potencial mineral dessas terras que os catarinenses doarão para eles???

O ainda candidato do PDT Paulo Dellajustina tem feito questionamentos e levantados dúvidas sobre o "deslavado interesse dos chineses" pela área de terras que os trabalhadores e os contribuintes catarinenses... sem serem consultados... doarão de presente para a Sinotruck instalar sua unidade de produção em Lages...

O ainda candidato, está de posse de uma tese de doutorado da UFSC que trata das riquezas minerais contidas nessas terras... e teme que os chineses tomem conta dessas riquezas... gratuitamente...

E.. quarto... como anda... de fato.. o processo de compra pela Prefeitura do dito terreno???

Quantas trevas... e dúvidas...

Vejam abaixo um artigo do Jornalista Serrano Pablo Gomes... que poderá lançar um pouco de luzes sobre as trevas que rondam a Sinotruk...
(....)

Terreno em Lages cedido para a Sinotruk está à venda. Prefeitura afirma que tem outras áreas como alternativa

Pablo Gomes | pablo.gomes@diario.com.br

Está nos classificados de um jornal local: "Vende-se terrenos para indústrias antes destinados à Sinotruk por desapropriação ilegal". O anúncio, feito pelos proprietários, chama a atenção pelo fato de os imóveis oferecidos serem justamente os que deveriam sediar a primeira fábrica de caminhões da companhia chinesa no Brasil.

A prefeitura de Lages, cidade onde será construída a montadora, garante que tudo está correto e que não há a menor possibilidade de perder o empreendimento, mesmo que as desapropriações estejam suspensas pelo Tribunal de Justiça de SC (TJ-SC), pois em último caso poderia, inclusive, ceder outra área. Já a empresa, que fez até festa para oficializar o investimento de R$ 300 milhões e a geração de mil empregos, não se manifesta.

O anúncio no jornal foi publicado pelo advogado Antonio Arruda, um dos proprietários dos terrenos e que questiona na Justiça o processo de desapropriação conduzido pela prefeitura. Um decreto de 1º de março de 2010 declarou os imóveis como sendo de utilidade pública para a implantação de um polo industrial no Distrito de Índios, às margens da rodovia BR-282.

No dia 16 de julho deste ano, o juiz Sílvio Dagoberto Orsatto, da Vara da Fazenda de Lages, confirmou a posse dos terrenos em nome do município. A esta altura, a Sinotruk já havia divulgado o cronograma de sua operação em Lages, fato que se repetiu no dia 27 do mesmo mês, com o lançamento da pedra fundamental da fábrica.

Mas os proprietários dos terrenos entraram com um pedido de anulação do decreto da prefeitura e da liminar do juiz de Lages no TJ-SC alegando irregularidades no procedimento. Arruda apontou supostas falhas da prefeitura à época do decreto, como falta de previsão orçamentária, de um projeto de implantação e de uma lei de criação do parque industrial.

— Discutimos as irregularidades, mas não ainda os valores, apesar de a prefeitura ter depositado quanto entendeu quando entrou na Justiça com a ação. A desapropriação sempre é prejudicial aos proprietários, pois é uma intervenção forçada que atende aos critérios do poder público — argumenta Arruda.

Mediante os questionamentos dos proprietários, o relator Domingos Paludo, do TJ-SC, determinou em julho a suspensão da desapropriação, tanto pelo decreto da prefeitura quanto pela liminar judicial, enquanto o caso não tem um julgamento com nova decisão.

A prefeitura de Lages garante estar correta com relação aos procedimentos e tranquila quanto ao desfecho do caso. O procurador do município, Sandro Anacleto, considera que os argumentos dos proprietários dos terrenos são "vazios", pois assegura que a prefeitura fez o necessário, como os projetos e a recomposição orçamentária.

Ele lembra que a prefeitura apresentou seus argumentos ao TJ-SC antes mesmo de ser intimada da suspensão e confia numa decisão favorável já na próxima semana. Anacleto diz que a única discussão que restará é quanto à indenização, pois quando entrou com a ação de desapropriação, o município depositou R$ 4,6 milhões, valor considerado baixo pelos proprietários.

2 comentários:

  1. Anônimo

    20:06 (14 horas atrás)

    para mim
    Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "SINOTRUK... MUITAS TREVAS... POUCAS LUZES...":

    complementando vosso nobre comentario sera que o povo sabe as reais protalacoes do tao esperado LANCAMETO DO VEICULO (A7?)


    Postado por Anônimo no blog Lages, na Real em 24 de maio de 2013 20:06

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo...

      Tenho um quase certeza que o povo não sabe...

      Se quiser colaborar enviando informações, terei prazer em publicar neste BLOG

      Excluir